32º Rodeio Internacional de Vacaria

A maior festa tradicionalista da América Latina

O Rodeio Internacional da Vacaria é a Copa do Mundo do tradicionalismo

De 27 de janeiro a 04 de fevereiro estarão reunidos na cidade gaúcha os maiores e melhores artistas folclóricos do Sul do Brasil nas modalidades artísticas e culturais.

Uma extensa programação campeira com provas de laço e gineteada sempre são o destaque de público do evento que reúne equipes e delegações de vários países da América Latica.

Acontece também a 11ª edição do festival Cante uma Canção em Vacaria que este ano segue uma linha nativista e campeira no júri e composições selecionadas que concorrerão as premiações.

Serão também show´s, bailes e programações paralelas em todas as noites do rodeio.

Foto do post e para maiores informações: http://www.rodeiodevacaria.net/

Éder Goulart

Cantor catarinense divulga os show´s e projetos para 2018

Éder Goulart apresenta os projetos que estão a das programações artísticas, show´s, festas e festivais.

De Cima da Serra – show

Cantor com mais de 20 anos de carreira, neste show Éder Goulart trás acompanhado de grandes músicos seu repertório e clássicos da música serrana, catarinense e gaúcha. Já realizado em grandes eventos como a Festa do Pinhão, Rodeio Internacional de Vacaria, Festa da Maçã dentre outros.

Ao Pé do Fogo – tertúlia

Um encontro musical e de prosa como faziam os antigos tropeiros, esta apresentação é ideal para fogo de chão, encontro de amigos e recepção de turistas. A música do SUL e alguns clássicos da música regional brasileira no repertório. Apresentações na Pousada Rural do SESC, Fazenda do Barreiro, Fazenda Lua Cheia fazem parte da agenda anual.

Bailinho Serrano – baile

Valorizando os ritmos tradicionais como o xote, valsa, vaneira, chamamé, bugio e milonga, em dueto o artista anima eventos no turismo rural e eventos particulares como casamentos e aniversários. Repertório bailável em gaita, violão e voz também resgatando músicas e artistas que contribuíram para a formação da música sulina.

Cantilenas – infantil

Levar as novas gerações através da arte a cultura regional. Os costumes, lendas, meio ambiente Catarinense com repertório de música autoral e clássicos do folclore fazem parte desta apresentação voltada a crianças. Oficinas e interações já realizadas em escolas públicas e eventos de Lages, Concórdia e Florianópolis.

Natal na Serra – temático

Na época de final de ano apresentar com estilo nativista e serrano músicas e temas que abordem a alegria, confraternização, emoção das festas entre os amigos, familiares e comunidade. Espetáculo faz parte do Natal Felicidade (Lages) e também já foi apresentado em Urubici, Concórdia e eventos corporativos e particulares.

Para contratar: (49) 98822-9701 – encartecultural@gmail.com

Festival Nacional da Cultura Gaúcha

O COFAT – Comitê Organizador de Festivais de Arte e Tradição torna público as datas e locais das etapas da 18ª edição do FNCG – Festival Nacional da Cultura Gaúcha.

Serão 8 etapas distribuídas

no ano conforme abaixo:

1ª Etapa – Espumoso/RS – 23 a 25 de Fevereiro
2ª Etapa – Turvo/SC – 04 a 06 de Maio
3ª Etapa – Espumoso/RS – 06 a 08 de Julho
4ª Etapa – Chapecó/SC – 11 e 12 de Agosto
5ª Etapa – Canoas/RS – 08 e 09 de Setembro
6ª Etapa – Vacaria/RS – 05 a 07 de Outubro
7ª Etapa – Lages/SC – 17 e 18 de Novembro
8ª Etapa – Carazinho/RS – 07 a 09 de Dezembro

Os promotores e demais informações estão nas páginas específicas de cada etapa.

As mesmas serão atualizadas assim que os chasques forem disponibilizados.

Informação: http://www.fncg.art.br/

Brasil, Mon Amour

O Duo Sassi-Marques reinterpretam canções do Brasil e França.

Show acontece dia 20 de janeiro de 2018 no Centro Cultural Vidal Ramos

as 20h com Entrada Franca – Imperdível !!!

Resultado de uma pesquisa musical e lingüística, em “Brasil, Mon Amour”, o Duo Sassi-Marques reinterpreta uma cuidadosa seleção de canções, que compõem o extenso universo afetivo entre Brasil e França.

Somente para citar alguns dos compositores brasileiros que fazem parte dessa lista: Baden, Vinícius, Chico, Tom, Gil, Wilson Moreira, etc. Já na França, Pierre Barouh, Marcel Camus e Claude Lelouch são alguns dos artistas que fizeram a ligação cultural entre os dois países, em obras que se tornaram ícones de uma época. Existem também canções francesas traduzidas para o português, populares no Brasil, mas que muitas vezes desconhecemos a origem.

Enfim, todo esse rico legado de trocas e (re) criações além-mar é o ponto de partida do Duo Sassi Marques.

A francesa Sabine Sassi morou no Brasil por dois anos (2013-2015), onde se apaixonou pela cultura, pela língua portuguesa e pela música do Brasil. De volta à Paris, encontrou o violonista baiano Gabriel Marques, que excursionava pela Cidade Luz.

“Brasil, Mon Amour” surgiu naquele momento, quase que instantaneamente: foi a maneira mais natural encontrada pelo Duo Sassi Marques de canalizar, em forma de música, toda a paixão mútua entre as respectivas culturas.

Assim, para além do legado histórico franco-brasileiro já existente, ao longo do processo de pesquisa para a montagem de “Brasil, Mon Amour”, novas pontes culturais entre Brasil e França foram criadas pelo Duo. Desta vez, com impressão digital própria, mais pessoal e subjetiva, amalgamando canções que fazem parte da história de cada um, ora por uma temática em comum, ora por um ritmo semelhante ou mesmo uma inspiração mais abstrata.

É assim que surge, com a força do mar, canções de Dorival Caymmi arranjadas juntamente com canções populares francesas de pescadores; surgem também traduções originais de Sabine Sassi, do português para o francês, de canções de Chico Buarque, e traduções para o português de canções francesas, conhecidas na voz de Henri Salvador, Serge Gainsbourg, entre outros.

E, para emoldurar tudo isso, arranjos originais de Gabriel Marques, com seu violão de 7 cordas alicerçado na música brasileira, mas também utilizando referências do rico universo da música francesa. “Brasil, Mon Amour” é, assim, um espetáculo musical original ao mesmo tempo íntimo, com a marca pessoal do Duo Sassi Marques, e universal, dado o valor artístico das obras já consagradas do repertório, cuidadosamente cosido com a linha que une os corações de Brasil e França.