CORREDOR DE CANTO E POESIA COMPLETA 17 ANOS

No Sítio Vó Tonha na comunidade de Santa Isabel em São Joaquim mais de setenta participantes encontraram-se nos dias 23, 24 e 25 de novembro de 2018 na oficina cultural.

Antecedentes históricos trouxeram o ciclo do tropeirismo, para a região dos campos e coxilhas de cima da serra. Tropas de mulas e cavalos oriundos do extremo sul do Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai eram conduzidos em um corredor aberto por Cristóvão Pereira de Abreu.

Nesta jornada na amplidão dos Campos das Lajens até os Campos de Palmas, as tropas tinham que passar, parar e muitas vezes pousar na “Freguesia de Nossa Senhora dos Prazeres dos Campos das Lajens”.

Ao longo do tempo acabaram por deixar um legado de hábitos e valores que moldaram a cultura serrana que se distingue do resto do estado catarinense e das demais regiões “gauchas”.

Com o espírito de valorizar, incentivar, resgatar esta história foi criado o Corredor de Cantor e Poesia uma oficina cultural com artistas, poetas, declamadores e cantores oriundos de vários lugares.

O Corredor acontece anualmente em uma fazenda da região, durante três dias são criadas músicas, poesias e causos, obras inspiradas em um tema definido no início do evento.

Para manter o objetivo de criação e um ambiente propício de concentração participam somente artistas convidados atuantes no cenário nativista. Não há premiação e os destaques recebem menções honrosas que levam uma denominação de elementos essenciais de uma tropeada.

Renato Gomes conhecido como “Renatão”, foi homenageado com o troféu MADRINHEIRO.

O gaiteiro e cantor que é uma referência ao resgatar e retratar os costumes do povo serrano através de suas músicas como “Nos bailes do João Guanxuma”, “Guamirim Sapecado”, “Goela A Baixo”, “O Aço do Tempo”, “Tropeando Origens”.

É um autêntico tradicionalista do campo, que toca gaita pianada e de botão e tem um reconhecimento muito popular nos festivais e festas da região.

O tema desta edição: “Que herança teremos nós” foi proposto por Flávio Andrade Neto, Ulisses Ramos Silva e Fernando Melo de Souza membros de uma comissão avaliadora.

O resultado foram 31 obras criadas em menos de 24 horas.

Receberam ainda menções: CANGALHA (poesia) – Heranças, Memórias e Futuro – Fabricio Costa, FIADOR (composição) – A Maior Herança – Ramiro Amorim/João Paulo Neris da Cruz ARREATA (poesia) – Grande Herança – Leduvino Ramos, SINUELO (composição) – Mulher Serrana – Marcos Eduardo Neto/Ingrid Dors , LIGÁ (poesia) – Duas Heranças – Conrad Jr, BRUACA (pachola) A Herança da Vovó – Cambuin Proença/Beto Ventura/Renato Gomes PONTEIRO (composição) – O Jogo da Saudade – Beto Ventura/Fabricio Costa ESTALO DE REIO (instrumentista) Eduardo Ferraro – Flor Sagrada – Sax, ESTOURO DE TROPA (intérprete) – Maikon Proença “Cambuim”, FOGO DE CHÃO (causos) – Voltando da Festa – Delega e Nazareno e CINCERRO (destaque) – Ingrid Dors.

“A semente germinada em 2001, no primeiro pouso, cresceu, floresceu e frutificou mais de 500 obras, onde artistas consolidaram seus trabalhos e novos valores foram revelados. A história do Corredor mantém-se firme com o propósito de seguir o rastro dos antigos tropeiros, tropeando versos e acordes.

Assim as gerações vindouras, quem sabe poderão beber na mesma aguada, límpida e cristalina como é a verdade do nosso canto e andarem estribadas na história, para seguir o rastro infinito deste corredor cultural”, declara Cassiano Eduardo Pinto membro da comissão organizadora que também conta com participação de Alberto Ventura Neto, Alexandre Matheus Silva, Edu Florêncio de Andrade, Evertom Waltrick e Vinícius Barbetta Narciso.

A comissão agradece as pessoas e empresas apoiadoras fundamentais para a realização: Cabanha Estância Velha, Cabanha Fazenda Rincão do Butiá, Cabanha Lamas, Cabanha Maior, Catálise Criativa, Construtora Cavalli, Diamaju Distribuidora, Dr. Fernando Pagliosa, Família Andrade, Fazenda da Ramada, Fazenda Ferradura, Fazenda São Sebastião Girard Artesão, Griffe Troféus do JC Batista, Livro Bagualles – Um canto de amor a terra, Meiwa Embalagens, Muladeiro 3M, Narciso e Cia, Quinta do Silva Incorporadora, SIA – Serviço de Inteligência em Agronegócio, Sítio Vó Tonha, Sr. Orival Sá.

Texto: Éder Goulart e Cassiano Eduardo Pinto

Fotos: Robson Andrade

Ficha Técnica: Evertom Waltrick