22° Festa Nacional da Maçã está cancelada

Diante do quadro de avanço da pandemia mundial do Novo Coronavírus – COVID-19, a Comissão Central Organizadora (CCO), comunica que a 22° Festa Nacional da Maçã que havia sido adiada, está oficialmente cancelada. 

Seguindo as orientações mundiais de segurança em relação ao Covid-19 e todos os decretos de esfera federal, estadual e municipal que declaram situação de enfrentamento de emergência em saúde pública, a Prefeitura Municipal de São Joaquim  preza pelo bem estar de todos e prioriza a saúde de toda a população

A 22° Festa Nacional da Maçã aconteceria de 7 a 10 de maio 2020, mas a Comissão Central Organizadora (CCO) está seguindo todas as medidas preventivas e recomendadas pelos órgãos superiores para o combate da pandemia. 

A Comissão lamenta profundamente, mas também acredita que é a decisão certa a ser tomada, devido ao impacto social e econômico que o país, estado e município estão enfrentando. A Prefeitura Municipal de São Joaquim agradece a parceria de todas as empresas, instituições e demais parceiros desta edição. Em especial, agradece a competência e comprometimento da SVI – Comércio e Serviços Ltda, empresa vencedora da licitação, que certamente, realizaria uma excelente edição. 

Por fim, esclarecemos que estamos adotando uma postura de cautela, solidariedade e resguardo. Em um momento como este, o que importa é a união de todos para prevenção e cuidado.


Assessoria de Comunicação
Prefeitura Municipal de São Joaquim

Conselho Estadual de Cultura de Santa Catarina emite nota sobre a COVID-19

O Conselho Estadual de Cultura de Santa Catarina – CEC, vem a público manifestar-se a  espeito das medidas restritivas estabelecidas pelo Governo do Estado contidas no Decreto 509/2020 de 17 de março.
O CEC é solidário às medidas restritivas adotadas pelo Governo do Estado por meio do Decreto 509/2020, que busca prevenir e proteger a boa saúde dos catarinenses, haja vista, o atual quadro de atividade do COVID-19 em Santa Catarina, com o surgimento de contagio comunitário, aumento do número de catarinenses contaminados e pacientes sintomáticos com a doença.
O CEC entende que as medidas adotadas pelo Governo do Estado vão ao encontro das orientações dos organismos internacionais que monitoram a pandemia, bem como às experiências exitosas de alguns países no combate à disseminação do vírus.
O CEC tem ciência da grave crise mundial causada pela pandemia que atinge diretamente a saúde pública com desdobramentos nos setores produtivos e econômica de todos os países, além dos impactos sociais.
O CEC entende que os desdobramentos dessa crise mundial afetarão gravemente todos os setores da economia catarinense e, particularmente, a cadeia produtiva da cultura e outras áreas estratégicas como o turismo e o esporte.
O CEC considera necessária a criação de instrumentais e ferramentas que deem visibilidade aos impactos negativos gerados na cadeia produtiva e econômica da cultura de Santa Catarina, em consequência das medidas restritivas postas pelo necessário Decreto 509/2020.
O CEC é parceiro da Fundação Catarinense de Cultura – FCC, na busca de soluções e de apoio para a área cultural com o objetivo de mitigar, no curto e médio prazo, os desdobramentos negativos da pandemia que nos atinge.
O CEC considera necessário que o planejamento da Fundação Catarinense de Cultura para o exercício de 2020 continue em execução conforme previsto, especialmente, no tocante aos editais de fomento à área cultural, já em processo de organização.
O CEC entende que aqueles trabalhadores da cultura que possuem suas atividades como única fonte de renda encontram-se em situação de risco social devido às restrições postas pelo necessário Decreto 509/2020.
O CEC recomenda a abertura de um edital estadual emergencial de fomento à cultura nos moldes de outros estados como São Paulo, Maranhão e Pará.
O CEC recomenda flexibilização no pagamento de contas de água e luz de trabalhadores da classe artística, pois suas rendas dependem majoritariamente do público.
O CEC sugere a divulgação na forma digital dos acervos culturais de instituições públicas e privadas para a fruição da população em geral durante o período de quarentena.
O CEC considera indispensável mapear os profissionais em situação de risco e propor ações que possibilitem apoio emergencial durante o período que perdurarem as medidas restritivas e um plano para a retomada das ações culturais pós-crise da saúde a exemplo do que outras cadeias produtivas vem sinalizando. Por este motivo, disponibiliza dois formulários online para tal mapeamento, sendo um voltado aos municípios catarinenses (gestão pública) e um voltado a pessoas, iniciativas, grupos, empreendimentos ou coletivos.

Secretaria da Cultura do Rio Grande do Sul aciona setor sobre edital para projetos que resultem em conteúdos digitais

A secretária da Cultura, Beatriz Araujo, encaminhou, na última quinta-feira (26/3), mensagem aos coordenadores dos Colegiados Setoriais de Cultura, Conselho Estadual de Cultura (CEC) e Conselho dos Dirigentes Municipais de Cultura (Codic) e ao Comitê Gestor da Política Cultura Viva solicitando que apresentem considerações sobre a minuta do edital de credenciamento para projetos culturais que resultem em conteúdos digitais.

O edital, que totaliza o valor de R$ 3 milhões, será lançado em abril com o objetivo de fomentar a cadeia produtiva na área da cultura, gravemente impactada devido à pandemia da Covid-19.

Beatriz Araujo salientou que os colaboradores da Secretaria da Cultura (Sedac) estão trabalhando incansavelmente com o desafio de “encontrar novas formas para que tenhamos ações exequíveis, tempestivas e coerentes com o momento que estamos passando”. Ressaltou, também, que o edital buscará encurtar os prazos e reduzir significativamente os aspectos burocráticos, oferecendo maior agilidade na tramitação dos projetos, bem como nos repasses aos contemplados.

A secretária anexou à mensagem a minuta do edital e solicitou que as respostas sejam enviadas até sábado (28/3) às 16h. “Ressaltamos que o êxito desta ação dependerá de grande articulação e mobilização na divulgação, especialmente pelos setores compreendidos nestes colegiados, em suas redes sociais. Somente assim conseguiremos promover de fato a ampla participação, atendendo a demanda existente”, afirmou Beatriz.

A Sedac também aguarda considerações sobre o formulário de inscrição, desenvolvido em conjunto com a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, que deverá solicitar uma série de informações com o objetivo de levantar dados relevantes da área cultural.

Edição: Secom